top of page
CAPA da Revista Amplamente (1).png

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS INCLUSIVAS NO COTIDIANO DA EDUCAÇÃO INFANTIL

Caroline Rodrigues de Freitas Fernandes
Universidade do Estado do Rio Grande do Norte
https://orcid.org/0000-0002-9198-6746
http://lattes.cnpq.br/5956672837215695
E-mail: caroline_brum2005@hotmail.com

 

Dayana Lucia Rodrigues de Freitas
Universidade Federal do Rio Grande do Norte
https://orcid.org/0000-0001-5355-3547
http://lattes.cnpq.br/5122671799874415
E-mail: dayannaproducoes@gmail.com

DOI-Geral: http://dx.doi.org/10.47538/RA-2022.V1N4
DOI-Individual: http://dx.doi.org/10.47538/RA-2022.V1N4-02


RESUMO:

O conceito de educação inclusiva implica uma nova postura da instituição educativa e dos profissionais que nela trabalham, que devem incluir no seu projeto pedagógico ações que viabilizem a interação social, a valorização e a expressão das diferenças de seus alunos. A educação inclusiva não precisa obedecer a um modelo pré-estabelecido. O conhecimento e a implementação de práticas com evidências de eficácia no cotidiano escolar podem favorecer a concretização dos princípios da Educação Inclusiva. Assim sendo, o objetivo desta revisão foi analisar, na literatura científica, práticas educativas inclusivas para a Educação Infantil. A prática pedagógica aliada a inúmeros processos formativos, incluindo a pesquisa, o diálogo coletivo e a reflexão compartilhada, pode dar conta de afirmar se tal prática atingiu os pareceres inclusivos. Este estudo analisou as práticas pedagógicas inclusivas no cotidiano dos professores de Educação Infantil. Percebemos que apesar das práticas analisadas parecerem relativamente simples de serem implementadas no cotidiano escolar, seu conjunto mostra a importância do planejamento, da organização e da condução das atividades escolares, de forma a promover oportunidades concretas para que crianças com alguma deficiência possam desenvolver plenamente seu potencial, gerando uma real inclusão.


PALAVRAS-CHAVE:

Inclusão. Práticas pedagógicas. Educação Infantil.

BIOGRAFIA DO AUTOR:

Professora da UFRN. Doutoranda em Ciências da Educação pelo Centro de Educação Continuada e Aperfeiçoamento Profissional (CECAP). Mestra em Ciências da Educação pelo Centro de Educação Continuada e Aperfeiçoamento Profissional (CECAP). Especialista em Mídias na Educação pela Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (UERN). Especialista em Tecnologias Educacionais e Educação a Distância pelo Instituto Federal de Educação Ciências e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN). Especialista em Metodologia do ensino de Biologia e Química pelo Instituto Pedagógico de Minas Gerais (IPEMIG/MG). Especialista em Educação Ambiental e Geografia do semiárido pelo Instituto Federal de Educação Ciências e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN). Especialista em Ensino de Ciências Naturais e Matemática pelo Instituto Federal de Educação Ciências e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN). Especialista em Língua Portuguesa, Matemática e Cidadania pelo Instituto Federal de Educação Ciências e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN). Graduada em Licenciatura Plena em Biologia pelo Instituto Federal de Educação Ciências e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN). Graduada em Pedagogia pela UNOPAR. Técnica em Meio Ambiente pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC/RS). Palestrante. Pesquisadora. Professora e Orientadora de cursos de Pós-Graduação e Graduação em instituições da rede privada em Macau/RN. Professora; Orientadora de TCC e Orientadora de Estágio Curricular Supervisionado da Escola Técnica Fanex Rede de Ensino – Macau/RN.

REFERÊNCIAS

BRASIL, CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Câmara de Educação Básica. Resolução CNE/CEB 2/2001. Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Diário Oficial da União, Brasília, 14 de setembro de 2001.


BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais Para A Educação Infantil. Secretaria de Educação Básica – Brasília: MEC, SEB, 2010.


BRASIL, Lei 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases para a Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

 

BRUNO, Marilda Moraes Garcia. Educação infantil: saberes e práticas da inclusão: introdução. [4. ed.] / elaboração Marilda Moraes Garcia Bruno. – Brasília: MEC, Secretaria de Educação Especial, 2006


CARVALHO, Rosita Edler. Educação Inclusiva: com os pingos nos “is”. 10.ed. Porto Alegre: Editora Mediação, 2014.


DEMO, Pedro. Pesquisa e construção do conhecimento: metodologia científica no caminho de Habermas. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1994.

 

HOLMES, M. F. M. Prática pedagógica escolar mediada pela ludicidade na educação de jovens e adultos. 57 f. Dissertação (em Educação), Universidade Federal de Pernambuco, UFP, Recife, 2006.


MANTOAN, M. T. E.; PRIETO, R. G. Inclusão Escolar. São Paulo: Summus, 2006.


MESQUITA, Amélia Maria Araújo. Os elementos de inclusividade na prática curricular de uma professora: uma análise a partir da cultura escolar. 2013. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Pará, Instituto de Ciências da Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Belém, 2013.


NÓVOA, António. Concepções e práticas de formação contínua de professores. In: Formação Contínua de Professores: realidades e perspectivas. Portugal: Universidade de Aveiro. 1991.


OLIVEIRA, Ivanilde Apoluceno de; SANTOS, Tânia Regina Lobato dos. Educação Inclusiva: reflexões sobre a política de formação de professores de uma rede Municipal de Ensino da Amazônia Paraense. In: CAIADO, Katia Regina Moreno et al. (Orgs.). Professores e a Educação Especial: formação em foco. Porto Alegre: Mediação, 2011.


UNESCO. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília:1994.


ZABALA, Antoni. A prática educativa: como ensinar. Trad. Ernani F. da F. Rosa. Porto Alegre: Artmed, 1998.

CAPA Revista Amplamente 4.png

COMO CITAR:

FERNANDES, C. R. F.; FREITAS, D. L. R. Práticas pedagógicas inclusivas no cotidiano da Educação Infantil. Revista Eletrônica Amplamente, Natal/RN, v. 1, n. 4, p. 10-19, out./dez. 2022.

Publicado: 13/11/2022

LICENÇA:

 

Licença CC-BY-NC-ND

Todo o conteúdo desta Revista eletrônica está licenciado sob uma Licença de atribuição Creative Commons. Atribuição-NãoComercial-
SemDerivações 4.0 Internacional.

Atribuição — Você deve dar o crédito apropriado, prover um link para a licença e indicar se mudanças foram feitas. Você deve fazê-lo em qualquer circunstância razoável, mas de nenhuma maneira que sugira que o licenciante apoia você ou o seu uso.

NãoComercial — Você não pode usar o material para fins comerciais.

SemDerivações — Se você remixar, transformar ou criar a partir do material, você não pode distribuir o material modificado.

bottom of page