top of page
CAPA da Revista Amplamente (1).png

O IMPACTO DAS AÇÕES EDUCATIVAS DO ENFERMEIRO NO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR

Leonidas Nelson Martins Júnior
Universidade Federal de Juiz de Fora
http://lattes.cnpq.br/3159919710079489
E-mail: boleonidas@hotmail.com

DOI-Geral: http://dx.doi.org/10.47538/RA-2022.V1N2

DOI-Individual: http://dx.doi.org/10.47538/RA-2022.V1N3-04


RESUMO:

Este artigo trata do um estudo sobre o impacto das ações educativas do enfermeiro no atendimento pré-hospitalar (APH). Entendendo que este tipo de atendimento representa a assistência imediata, ou seja, é aquele que chega rapidamente até a ocorrência fora do ambiente hospitalar, visando prestar toda a assistência ao paciente, visto que a demora pode gerar sequelas e até a morte. O profissional enfermeiro configura-se como um elo entre a assistência e a educação permanente da equipe através de seu papel articulador, proporcionando, enquanto educador, a capacitação da equipe de enfermagem. Justifica-se, portanto, a relevância da temática deste trabalho, considerando-se de suma importância e eficácia à atuação educativa do enfermeiro, o qual atua no atendimento inicial a vítima e na educação permanente da equipe. O objetivo do presente estudo é enfatizar o impacto das ações educativas do enfermeiro como educador, tornando-se assim, o elo entre a assistência e a gestão para assegurar um atendimento no pré-hospitalar com qualidade. O estudo é de natureza de revisão literária, e para elaboração desse foi realizada uma pesquisa bibliográfica elaborada a partir de material já publicado e extraída de bases de dados Scientific Electronic Library (SciELO); Portal do Cofen; Biblioteca Virtual em Saúde (BVS); Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal (Redalyc) e Biblioteca Virtual de Saúde do Ministério da Saúde (BVSMS). Conclui-se que as ações do enfermeiro na equipe de socorro são de grande importância, visto que ele reconhece situações que apresentam risco eminente de morte e, através de sua agilidade e eficiência vinculada as ações educativas, pode salvar vidas.


PALAVRAS-CHAVE:

Atendimento Pré-hospitalar. Educação permanente. Enfermeiro.

BIOGRAFIA DO AUTOR:

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Presidente Antônio Carlos (2005). Atualmente é Enfermeiro da Universidade Federal de Juiz de Fora. Tem experiência na área de Enfermagem.

REFERÊNCIAS

ADÃO, R. S.; SANTOS, M. R. Atuação do enfermeiro no Atendimento Pré-hospitalar Móvel. reme – Rev. Min. Enferm. v. 16, n. 4, p. 601-608, dez. 2012. Disponível em: <http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/567>. Acesso em: 30 set. 2016.

 

BERNARDES, A. et al. Supervisão do enfermeiro no atendimento pré-hospitalar móvel: visão dos auxiliares de enfermagem. Cienc. Cuid. Saúde. v. 8, n. 1, p. 79-85, jan./mar., 2009. Disponível em:
<http://eduem.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/viewFile/7778/4412>. Acesso em: 24 set. 2016.


BRASIL. Lei Federal no 7.498 do Exercício Profissional de Enfermagem, de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do Exercício da Enfermagem e dá outras providências. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Brasília (DF): 1986. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l7498.htm>. Acesso em: 24 set. 2016.


BRASIL. Decreto no 94.406/1987. Regulamenta a Lei no 7.498, de 25 de junho de1986, que dispõe sobre o exercício da enfermagem, e dá outras providências. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Brasília,1986. Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1980- 1989/D94406.htm>. Acesso em: 01 out. 2016.


BRASIL. Manual Instrutivo da Rede de atenção às Urgências e Emergências no Sistema Único de saúde (SUS). Ministério da Saúde. Brasília/DF, 2013. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_instrutivo_rede_atencao_urgencias.pdf>. Acesso em: 30 set. 2016.


BRASIL. Portaria no 1.010 de 21 de maio de 2012. Redefine as diretrizes para a implantação do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192) e sua Central de Regulação das Urgências, componente da Rede de Atenção às Urgências. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Brasília, 2012. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt1010_21_05_2012.html>. Acesso em: 30 set. 2016.


BRASIL. Portaria no 1.863 de 29 de setembro de 2003. Institui a Política Nacionalde Atenção às Urgências, a ser implantada em todas as unidades federadas, respeitadas as competências das três esferas de gestão. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Brasília, DF. 2003. Disponível em:<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2003/prt1863_26_09_2003.html>. Acesso em: 17 ago. 2016.

BRASIL. Portaria no 1.864 de 29 de setembro de 2003. Institui o componente pré-hospitalar móvel da Política Nacional de Atenção às Urgências, por intermédio da implantação de Serviços de Atendimento Móvel de Urgência em municípios e regiões de todo o território brasileiro: SAMU – 192. Ministério da Saúde. Gabinete doMinistro. Brasília, DF. 2003. Disponível em:<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2003/prt1864_29_09_2003.html>. Acesso em: 17 ago. 2016.

BRASIL. Portaria no 2048, de 5 de novembro de 2002. Normatiza e estabelece diretrizes dos Sistemas Estaduais de Urgência e Emergência. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Comissão Intergestores Tripartite. Brasília (DF): 2002. Disponível em:
<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2002/prt2048_05_11_2002.html>. Acesso em 17 ago. 2016.


BRASIL. Protocolos de Intervenção para o SAMU 192. Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Brasília,DF, 2014. Disponível em:
<samu.saude.sc.gov.br/index.php/protocolos?download=445:protocolo-de- suporte>. Acesso em: 25 out. 2016.


CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM. Resolução COFEN no 375/2011. Dispõe sobre a presença do Enfermeiro no Atendimento Pré-Hospitalar e Inter-Hospitalar, em situações de risco conhecido ou desconhecido. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-n-3752011_6500.html>. Acesso em: 28 set. 2016.


FERREIRA, E.M.; FRIEDLANDER M. R. Satisfação profissional do enfermeiro educador: uma revisão da literatura. Rev. Enferm. UFPE on line. v. 1, n. 1, p. 72-81, jul./set., 2007. Disponível em:
<http://www.revista.ufpe.br/revistaenfermagem/index.php/revista/article/download/14/1257>. Acesso em: 30 set. 2016.


FIGUEIREDO, D. L. B.; COSTA, A. L. R. C. Serviço de Atendimento Móvel às Urgências Cuiabá: desafios e possibilidades para profissionais de enfermagem. Acta Paul. Enferm. v. 22, n. 5, p. 707-710, 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ape/v22n5/18.pdf>. Acesso em: 28 set. 2016.


FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à práticaeducativa. 9. ed. São Paulo: Editora Paz e Terra S/A, 1998.

 

GARCIA, A. M. Atendimento pré-hospitalar (APH). Portal da Enfermagem. 17 jan. 2012. Disponível em:
<http://www.portaldaenfermagem.com.br/entrevistas_read.asp?id=77>. Acesso em 25 ago. 2016.

LOPES, S.L.B.; FERNANDES, R. J. Uma breve revisão do atendimento médico pré-hospitalar. Medicina, Ribeirão Preto. v. 32, n. 4, p. 381-387, out./dez., 1999. Disponível em:<http://revista.fmrp.usp.br/1999/vol32n4/uma_breve_revisao_atendimento_medico_p re_hospitalar.pdf>. Acesso em: 20 set. 2016.

MARTINS, P. P. S.; PRADO, M. L. Prado. Enfermagem e serviço de atendimento pré-hospitalar: descaminhos e perspectivas. Rev. Bras. Enferm., Brasília, v. 56, n.1, p. 71-75, 2003. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/reben/v56n1/a15v56n1.pdf>. Acesso em: 20 ago. 2016.

MARQUES, G. Q.; LIMA, M.A.D.S.; CICONET, R.M. Agravos clínicos atendidos pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência )SAMU) de Porto alegre – RS. Acta Paul. Enferm. Porto Alegre, RS, v. 24, n. 2, p. 185-191, 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ape/v24n2/05.pdf>. Acesso em: 25 set. 2016.


MEDEIROS, A. C. et al. Gestão participativa na educação permanente em saúde: olhar das enfermeiras. Rev. Bras. Enferm., Brasília, v. 63, n. 1, p. 38-42, jan./fev. 2010. Disponível em: <http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=267019595007>. Acesso em: 29 set. 2016.


MIRANDA, K. C. L.; BARROSO, M. G. T. A contribuição de Paulo Freire à prática e educação crítica em enfermagem. Rev. Latino-am Enfermagem, jul./ago., p. 631-5, 2004. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rla/v12n4a08.pdf>. Acesso em: 17 nov. 2016.

RAMOS, V. O.; SANNA, M. C. A inserção da enfermeira no atendimento pré-hospitalar: histórico e perspectivas atuais. Rev. Bras. Enferm. v. 58, n. 3, p. 355-360, maio/jun. 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/reben/v58n3/a20v58n3.pdf>. Acesso em: 15 set. 2016.


ROCHA, T. B. Vivências do enfermeiro no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência: detalhes de um grande desafio. (Dissertação). 2013. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, 2013. Disponível em: <http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/handle/1843/GCPA-
9ATFE2/thays_batista_da_rocha.pdf?sequence=1>. Acesso em: 25 out. 2016.

ROMANZINI, E. M.; BOCK, L. F. Concepções e sentimentos de enfermeiros que atuam no atendimento pré-hospitalar sobre a prática e a formação profissional. Rev. Latino-Am. Enfermagem. v. 18, n. 2, mar./abr., 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rlae/v18n2/pt_15.pdf>. Acesso em: 25 set. 2016.


SANTOS, F. G. Educação em saúde: o papel do enfermeiro educador. Instituto Educacional Severínia IES. Franca/SP, 2010. Disponível em: <http://www.webartigos.com/artigos/educacao-em-saude-o-papel-do-enfermeiro-educador/44521/>. Acesso em: 01 out. 2016.

SILVA, E. A. C. et al. Aspectos históricos da implantação de um serviço de atendimento pré-hospitalar. Revista Eletrônica de Enfermagem. v.12, n 3, p. 571-577, 2010. Disponível em: <https://www.fen.ufg.br/fen_revista/v12/n3/v12n3a23.htm>. Acesso em: 26 set. 2016.


SILVA, J. B. A excelência do enfermeiro especialista em APH. 28 f. 2012. Trabalho de Conclusão de Curso. Especialização em APH, Urgências e Emergências. Instituto Itesa. Faculdade Redentor. São Paulo, 2012. Disponível em:<https://www.posgraduacaoredentor.com.br/hide/path_img/conteudo_542b19179f7f6.pdf>. Acesso em: 25 ago. 2016.


SILVA, R. C. et al. O papel do enfermeiro como educador e pesquisador e a integração entre prática baseada em evidências e educação permanente. Percurso Acadêmico. Belo Horizonte, v. 5, n. 10, p. 417-430, jul./dez, 2015. Disponível em:<http://periodicos.pucminas.br/index.php/percursoacademico/article/view/2313>. Acesso em: 01 out. 2016.

CAPA Revista Amplamente 3.png

COMO CITAR:

MARTINS JÚNIOR, L. N. O impacto das ações educativas do enfermeiro no atendimento pré-hospitalar. Revista Eletrônica Amplamente, Natal/RN, v. 1, n. 3, p. 32-47, jul./set. 2022.

Publicado: 25/07/2022

LICENÇA:

 

Licença CC-BY-NC-ND

Todo o conteúdo desta Revista eletrônica está licenciado sob uma Licença de atribuição Creative Commons. Atribuição-NãoComercial-
SemDerivações 4.0 Internacional.

Atribuição — Você deve dar o crédito apropriado, prover um link para a licença e indicar se mudanças foram feitas. Você deve fazê-lo em qualquer circunstância razoável, mas de nenhuma maneira que sugira que o licenciante apoia você ou o seu uso.

NãoComercial — Você não pode usar o material para fins comerciais.

SemDerivações — Se você remixar, transformar ou criar a partir do material, você não pode distribuir o material modificado.

bottom of page