CAPA da Revista Amplamente (1).png

A CONCEPÇÃO PATRIARCAL SOB UMA PERSPECTIVA PÓS-MODERNA

Josicleide de Oliveira Freire
Universidade Federal de Alagoas
http://lattes.cnpq.br/8969989442448024
E-mail: jcleide.santos@hotmail.com


DOI-GERAL: http://dx.doi.org/10.47538/RA-2022.V1N1
DOI-INDIVIDUAL: http://dx.doi.org/10.47538/RA-2022.V1N1-10


RESUMO:

Este artigo tem como objetivo analisar criticamente a categoria patriarcalismo mediante as abordagens pós-modernas, que, de maneira fragmentada, discutem a problemática isoladamente, centrando-se em aspectos de ordem natural. Aqui, pretende-se revelar o caráter exploratório que se encontra obscuro na posição da mulher na sociedade, contribuindo para o funcionamento do capital. Entende-se a posição que a mulher ocupa na sociedade capitalista na perspectiva de desvendar porque determinadas camadas da sociedade ocupam historicamente uma posição hierarquicamente inferior, desvendando aspectos de sua luta contra a dominação.


PALAVRAS-CHAVE:

Patriarcalismo. Pós-modernidade. Marxismo.

BIOGRAFIA DO AUTOR:

Advogada e Assistente Social. Membro do Conselho Técnico Científico da Editora Amplamente Cursos. Bacharel em Direito pelo Centro Universitário Tiradentes. Mestra em Serviço Social pelo Programa de Pós-graduação em Serviço Social da Universidade Federal de Alagoas (2018). Membro Suplente do Conselho de Pós-graduação em Serviço Social pela Universidade Federal de Alagoas (2018). Membro do Grupo de Pesquisa Sobre Reprodução Social pela Universidade Federal de Alagoas (2017-2019). Especialista em Gerontologia Social pelo Programa de Pós-graduação em Serviço Social da Universidade Federal de Alagoas (2019). Pós- graduada em MBA Gestão Estratégica de Pessoas pelo Centro Universitário Tiradentes (2019). Bacharel em Serviço Social pelo Centro Universitário Tiradentes- UNIT (2014). Áreas de interesse: Alienação; Capitalismo; Trabalho; Relações Sociais; Gênero; Idoso; Suicídio.

REFERÊNCIAS

ANDERSON, P. As origens da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Zahar, 1999.


CATELLS, M. A era da informação: economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 2001.

 

CASTELLS, M. O Poder da Identidade II. Tradução Klauss Brandini Gerhardt. São Paulo: Paz e Terra, 1999.


CISNE, M. Marxismo: uma teoria indispensável à luta feminista. Disponível em: <http://www.unicamp.br/cemarx/ANAIS%20IV%20COLOQUIO/comunica%E7%F5es /GT4/gt4m3c6.PDF>. Acesso em 11 ago. 2016.


COUTINHO, C. N. O estruturalismo e a miséria da razão. 2a. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010.


JAMESON, F. Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Ática, 1996.


ROUANET, S. P. As razões do iluminismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.


SAFFIOTI, H. I. B. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade; prefácio de Antônio Cândido de Mello e Souza. Petrópolis: Vozes, 1976.


____________. Gênero, Patriarcado, Violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004 (Coleção Brasil Urgente).


WEBER, M. Ensaios de Sociologia. Rio de Janeiro; Ed Guanabara, 1981.

CAPA Revista Amplamente 1.png

COMO CITAR:

SALES, O. F.; SALES, K. M. G. Uma reflexão Bourdiesiana sobre a avaliação educacional e a competência cultural dos avaliadores no âmbito escolar. Revista Eletrônica Amplamente, Natal/RN, v. 1, n. 1, p. 121-137, jan./mar. 2022.

Publicado: 15/03/2022

LICENÇA:

 

Licença CC-BY-NC-ND

Todo o conteúdo desta Revista eletrônica está licenciado sob uma Licença de atribuição Creative Commons. Atribuição-NãoComercial-
SemDerivações 4.0 Internacional.

Atribuição — Você deve dar o crédito apropriado, prover um link para a licença e indicar se mudanças foram feitas. Você deve fazê-lo em qualquer circunstância razoável, mas de nenhuma maneira que sugira que o licenciante apoia você ou o seu uso.

NãoComercial — Você não pode usar o material para fins comerciais.

SemDerivações — Se você remixar, transformar ou criar a partir do material, você não pode distribuir o material modificado.