CAPA da Revista Amplamente (1).png

Ciberformação na Educação musical

Luciano Luan Gomes Paiva
Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

https://orcid.org/0000-0001-6192-6075

http://lattes.cnpq.br/0772088747598226

E-mail: luciano.90@hotmail.com


DOI-GERAL: http://dx.doi.org/10.47538/RA-2022.V1N1
DOI-INDIVIDUAL: http://dx.doi.org/10.47538/RA-2022.V1N1-02


RESUMO:

Este texto trata-se de um ensaio acadêmico em que defendo que os professores de música devem ter uma formação específica desde sua graduação, uma Ciberformação. Essa formação está fundada em pensar as tecnologias digitais para além de entender e aplicar os recursos nas aulas de música. Nesse sentido, este ensaio tem como objetivo principal refletir acerca da complexidade da formação do professor de música direcionada às tecnologias digitais, sugerindo a Ciberformação para superação da reprodução pedagógica. A Ciberformação, portanto, torna-se uma alternativa para superação da reprodução pedagógica na Educação Musical, pois ela possibilita uma prática pedagógica descentralizada, interativa, compartilhada e condizente com a realidade do aluno. Contudo, o lugar dessa formação é muito mais amplo do que na universidade ou nos programas de formação do MEC, ela está diluída em uma complexidade de fatores que englobam a formação do professor de música na contemporaneidade.


PALAVRAS-CHAVE:

Formação de professores. Tecnologias digitais. Educação musical.

BIOGRAFIA DO AUTOR:

Diretor de Arte na Editora Amplamente Cursos, coordenando toda a produção visual e ações de publicidade nas redes sociais e site da empresa. No campo da Educação, atua como Coach Educacional, Palestrante, Ministrante de Oficinas (presenciais e on-line), Tutor a Distância na Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) e Professor de Música na Educação Básica do Estado do Rio Grande do Norte. Como pesquisador, tem feito estudos sobre Aprendizagem mediada por Tecnologias Digitais sob a ótica da Complexidade; Formação Docente no âmbito das Tecnologias Digitais; e Mediação Pedagógica no Ciberespaço. Também é membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Música (GRUMUS-UFRN). Tem formação acadêmica, como Mestre em Música (com ênfase em Educação Musical) pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Especialista em Tecnologias Educacionais e Educação a Distância pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFRN). Licenciado em Música pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

REFERÊNCIAS
BELTRAME, Juciane A. Educação musical emergente na cultura digital e participativa: uma análise das práticas de produtores musicais. 2016. Tese (Doutorado). Centro de Letras e Artes, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2016.


BRASIL. Programa de Inovação Educação Conectada. 2017. Brasília: MEC. Disponível em: <http://educacaoconectada.mec.gov.br>. Acesso em: 02/02/2019.

CERNEV, Francine K. Educação musical na era digital: experiências coletivas e os desafios para o uso das tecnologias digitais nas aulas de música. Música em Contexto, Brasília, n.1, 9-26. 2016.


CETIC.BR, centro regional de estudos para o desenvolvimento da sociedade da informação. Pesquisa sobre o uso de tecnologias de informação e comunicação na sociedade brasileira. Portal de dados - TIC Domicílios e TIC Educação 2018. Disponível em: <http://data.cetic.br/cetic/explore>. Acesso em: 30/09/2019.


DEMO, Pedro. O olhar do educador e as novas tecnologias. Boletim Técnico do Senac: a Revista da Educação Profissional, Rio de Janeiro, v. 37, no 2, mai./ago. 2011.


FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 51a ed. - Rio de Janeiro: Paz & Terra, 2015.


GOMES, Rodrigo M. Do fonógrafo ao mp3: algumas reflexões sobre música e tecnologia. Revista Brasileira de Estudos da Canção – RBEC, Natal, n.5, jan-jun. 2014.

 

HARARI, Yuval Noah. Homo Deus: uma breve história do amanhã. Tradução Paulo Geiger. Editora Companhia das Letras: São Paulo, 2016.

 

HENDERSON FILHO, José Ruy. Informática aplicada à música: contribuições para a formação de professores de música. Revista Tecnologias na Educação, Ano 7, n.12, Julho. 2015.


LÉVY, Pierre. Cibercultura. Trad. Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Editora 34, 1999.


LIVINGSTONE, Sônia. A classe: vivendo e aprendendo na era digital. Educação & Comunicação. Ano XXIII, n. 1, jan/jun, p. 127-138. 2018.


MARTIN, Lívia da S. N. Entre a apropriação e a proibição: trânsito dos dispositivos móveis em escolas públicas. 2014. Dissertação (mestrado). Unidade universitária de ciências socioeconômicas e humanas, Universidade Estadual de Goiás. Anápolis, 2014.


MARTINS, Ronei X.; FLORES, Vânia de F. Era uma vez o Proinfo... diferenças entre metas e resultados em escolas públicas municipais. Horizontes. V. 35, n. 2, p. 17-26, mai./ago. 2017.


MORIN, Edgar. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Tradução Eloá Jacobina. 8a edição. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.


MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. Tradução Eliane Lisboa. Porto Alegre: Sulina, 2015.


NAGUMO, Estevon. O uso do aparelho celular dos estudantes na escola. 2014. Dissertação (mestrado). Faculdade de educação, Universidade de Brasília. Brasília, 2014.


PEQUINI, Alexandre T. O uso de tecnologias no cotidiano, na educação e no ensino musical sob uma perspectiva educacional e sociocultural. 2016. Tese (doutorado). Instituto de Artes, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. São Paulo, 2016.
 

PRENSKY, Marc. Digital Natives, Digital Immigrants Part 1. On the Horizon, v. 9, n.5, October. 2001.


SANTAELLA, Lúcia. Desafios da ubiquidade para a educação. Ensino Superior UNICAMP. V. 9, p. 19-28. 2013.


SERRES, Michel. Polegarzinha: uma forma de viver em harmonia, de pensar as instituições, de ser e de saber. Tradução Jorge Bastos. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil, 2013.


VAGULA, Edilaine. Paradigma da complexidade e tecnologia: reflexões sobre o ensino e aprendizagem. Artefactum – Revista de Estudos em Linguagens e Tecnologias, Rio de Janeiro, No 02, 2015.


VELASCO, Maria T. Q. Aprendizagens na era digital: dentro e fora da escola. Comunicação & Educação. Ano XX, n.1, jan/jun, p. 63-70. 2015.

CAPA Revista Amplamente 1.png

COMO CITAR:

PAIVA, L. L. G. Ciberformação na educação musical. Revista Eletrônica Amplamente, Natal/RN, v. 1, n. 1, p. 12-25, jan./mar. 2022.

Publicado: 20/01/2022

LICENÇA:

 

Licença CC-BY-NC-ND

Todo o conteúdo desta Revista eletrônica está licenciado sob uma Licença de atribuição Creative Commons. Atribuição-NãoComercial-
SemDerivações 4.0 Internacional.

Atribuição — Você deve dar o crédito apropriado, prover um link para a licença e indicar se mudanças foram feitas. Você deve fazê-lo em qualquer circunstância razoável, mas de nenhuma maneira que sugira que o licenciante apoia você ou o seu uso.

NãoComercial — Você não pode usar o material para fins comerciais.

SemDerivações — Se você remixar, transformar ou criar a partir do material, você não pode distribuir o material modificado.